Como os nanocosméticos podem ajudar a minha pele? Confira 7 benefícios do seu uso

11/04/2022 nanocosméticos

Você já pensou se um dermocosmético pudesse aliar o melhor da tecnologia com a ação eficaz de micronutrientes essenciais para a nossa pele, como a vitamina C? Pois saiba que isso é realidade graças aos nanocosméticos.  

Esses cosméticos utilizam micropartículas que penetram nas camadas mais profundas da pele, aumentando a sua eficácia, principalmente quando o assunto é preenchimento e ação antienvelhecimento!  

Quer aprender então o que são os nanocosméticos, entender o poder das substâncias que podem estar presentes nele, como a vitamina C, e saber como verificar se um produto realmente contém este micronutriente livre ou nanoencapsulado? Confira abaixo!  

O que são nanocosméticos? 

Os nanocosméticos são formulações cosméticas que veiculam ativos ou outros ingredientes nanoestruturados, que, por sua vez, apresentam uma performance superior quando comparados com produtos convencionais¹. 

A palavra nano indica o uso de partículas minúsculas, medidas em nanômetros, que são muito úteis na produção de dermocosméticos, pois podem ter uma maior penetração na pele e otimizar os seus efeitos².  

Para você ter uma ideia, um nanômetro corresponde à bilionésima parte de um metro7 e a um fio de cabelo tem mais ou menos 100.000 nm². Já os nanocosméticos costumam ter entre 50 nm e 200 nm².  

O objetivo do uso de nanocosméticos é que eles permitam que os ativos utilizados sejam mais eficazes do que se estivessem livres, por conta da penetração mais profunda das suas partículas na pele e por estarem protegidos das agressões do meio ambiente¹. 

Isso acontece porque as moléculas dos cremes convencionais, por exemplo, são maiores, e ficam apenas na superfície da pele, não atuando nas camadas mais profundas e podendo ser degradados por agressões do meio externo¹. 

Apesar de parecer que os nanocosméticos são fruto de uma tecnologia recente graças ao avanço da ciência, a história mostra que os nanomateriais já são utilizados em cosméticos há centenas de anos³.  

Inclusive, pesquisas descobriram que durante a Idade Média as pessoas usavam formulações líquidas antienvelhecimento contendo nanopartículas de ouro³. 

O que mudou foi que agora os materiais em nanoescala têm sido mais pesquisados pela ciência e mais amplamente usados no desenvolvimento de cosméticos³. 

Quais são os benefícios dos nanocosméticos? 

Entre as principais vantagens da produção e do uso de nanocosméticos estão as seguintes¹: 

  1. Proteção dos ingredientes quanto à degradação química ou enzimática; 
  2. Controle da liberação das substâncias; 
  3. Prolongamento do tempo de permanência dos ingredientes na camada córnea; 
  4. Melhor absorção; 
  5. Ação prolongada; 
  6. Toque leve; 
  7. Melhor penetração de ingredientes ativos. 

Ficou curioso para saber quais substâncias podem estar presentes nos nanocosméticos? Veja abaixo!  

Quais substâncias podem estar presentes nos nanocosméticos? 

A nanotecnologia cosmética tem como foco a produção de itens destinados à aplicação no rosto e no corpo, por exemplo aqueles com ação antienvelhecimento¹ e rejuvenescimento e com ação clareadora.  

Diante disso, são inúmeras as substâncias que podem estar presentes nos nanocosméticos, mas vamos destacar aqui apenas uma delas: a vitamina C nanoencapsulada.  

Esse micronutriente é um poderoso antioxidante que ajuda a proteger as nossas células contra os efeitos dos radicais livres e traz intensos benefícios para a aparência e saúde da nossa pele, como4,5

  1. Proteção contra os malefícios dos raios solares; 
  2. Suavização de olheiras e linhas de expressão; 
  3. Promoção da produção de colágeno; 
  4. Atuação contra o envelhecimento precoce; 
  5. Melhora da acne. 

Algumas empresas encapsulam este micronutriente para que ele não se exponha ao ar até que a pessoa o espalhe no local desejado6.   

Isso porque a vitamina C “livre” pode se decompor facilmente na presença de fatores como ar, calor e luz6.  

Diante disso, essa técnica é fundamental para minimizar o tempo de decomposição dela, garantindo uma ação ainda mais proveitosa.  

O resultado dessa combinação de um micronutriente potente com uma tecnologia avançada de utilização de nanopartículas faz com que a vitamina C nanoencapsulada não seja degradada e adentre nas camadas mais profundas da pele, elevando a sua eficácia.  

Como saber se a vitamina C está livre ou nanoencpsulada? Você conhece o teste do iodo?  

Nos últimos tempos começaram a circular pela internet vídeos mostrando um teste entre iodo e vitamina C. 

A ideia de realizar essa experiência parte do fato de que o iodo, quando colocado em meio ácido, sofre uma reação de redução e muda de cor, do marrom para o incolor. 

Logo, a falta de reação do iodo com a vitamina C presente em um produto significa que na verdade esse cosmético não tem o micronutriente, certo? A resposta é não!  

Primeiro, precisamos entender que existem diferentes tipos de vitamina C:  

  1. Pura: composta 100% de ácido ascórbico; 
  2. Derivados: como o palmitato de ascorbila e o ascorbil fosfato de magnésio, que têm menor porcentagem de ácido ascórbico, variando entre 40% e 60%. 

Os derivados são mais utilizados em dermocosméticos porque a vitamina C pura é mais instável e se oxida facilmente na luz, no oxigênio e no calor. 

Além disso, tanto a vitamina C pura quanto os derivados podem estar em duas formas: 

  1. Livres: quando o ativo está em contato com as agressões do meio externo;  
  2. Nanoencapsulados: quando os ativos estão protegidos das agressões externas por estarem dentro de nanocápsulas. 

Portanto, se não houve a reação com o iodo no teste, ou seja, se a solução ficou marrom e não mudou de cor, significa que naquele produto temos uma vitamina C (tanto faz se pura ou derivada) nanoencapsulada. Ou seja, ela está protegida do meio externo e do contato com o iodo, não ocorrendo a reação. 

Em resumo, esse teste não prova a eficácia da vitamina C e muito menos se ela está presente ou não em um produto.  

É apenas uma reação química que mostra se o ativo está ou não na sua forma livre ou nanoencapsulada. 

Consulte o seu dermatologista para saber qual é a melhor vitamina C para você e invista em produtos feitos por marcas confiáveis. 

Quais produtos com nanotecnologia inserir na rotina de skincare? 

Se você busca produtos com nanotecnologia, pode contar com a Mantecorp Skincare, uma empresa fundada por dermatologistas e que atua há 40 anos buscando soluções focadas especialmente na pele brasileira, trazendo o que há de mais atualizado na tecnologia para o desenvolvimento de dermocosméticos.   

A linha Ivy C conta com séruns, géis e creme para o corpo, rosto e área dos olhos contendo vitamina C nanoencapsulada, que como você viu é excelente para a saúde e beleza da pele.  

Um exemplo é o Ivy C Aox, um gel rejuvenescedor facial composto por vitamina C nanoencapsulada com a finalidade de maior estabilidade e permeação na pele, intensificando a sua atuação antioxidante.   

Ele também contém ácido hialurônico e nanoesferas de retinol que em combinação têm ação rejuvenescedora e antioxidante, combatendo sinais de envelhecimento, reduzindo rugas e linhas de expressão, além de melhorar a firmeza, textura e maciez da pele.   

Além disso, ele tem um toque leve e agradável e é ideal para todos os tipos de pele, podendo ser usado no rosto, pescoço e colo.   

Outra alternativa é o creme rejuvenescedor para a região dos olhos Ivy C. Ele também tem vitamina C nanoencapsulada e ácido hialurônico, além da hesperidina, que juntos combatem os sinais de envelhecimento, reduzem as rugas, melhoram a firmeza e elasticidade da pele e amenizam as olheiras e bolsas.  

Quer conhecer outros itens da linha Ivy C e adicioná-los à sua rotina de skincare? Acesse o nosso site

Referências consultadas:  

1. Baril MB et al. Nanotecnologia aplicada aos cosméticos. Visão Acadêmica. Março, 2012; 13 (1): 45-54. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/academica/article/download/30018/19403>. Acesso em: fevereiro, 2022. 

2. Barradas T, Cerqueira C. Nanoemulsões: princípios e aplicações em cosmetologia. Instituto de Macromoléculas – Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2013. Disponível em: <https://www.ima.ufrj.br/images/documents/documentos/semana-de-polimeros/29-10.30-Nanoemuls%C3%B5es.princ%C3%ADpios-e-aplica.pdf>. Acesso em: fevereiro, 2022. 

3. Shokri J. Nanocosmetics: benefits and risks. Bioimpacts. 2017; 7(4): 207-208. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5801531/>. Acesso em: fevereiro, 2022. 

4. Harvard Health Publishing – Harvard Medical School. Why is topical vitamin C important for skin health? 10 novembro, 2021. Disponível em: <https://www.health.harvard.edu/blog/why-is-topical-vitamin-c-important-for-skin-health-202111102635>. Acesso em: fevereiro, 2022. 

5.  Doyle A. 11 Reasons to Add Vitamin C Serum to Your Skin Care Routine. 15 novembro, 2021. Disponível em: <https://www.healthline.com/health/beauty-skin-care/vitamin-c-serum-benefits>. Acesso em: fevereiro, 2022. 

6. Nall R. Top 3 benefits of vitamin C serum. MedicalNewsToday. Disponível em: <https://www.medicalnewstoday.com/articles/325801>. Acesso em: fevereiro, 2022. 

7. Antonio JR et al. Nanotecnologia em Dermatologia. 2012; 89 (1). Disponível em: <http://www.anaisdedermatologia.com.br/detalhe-artigo/101986>. Acesso em: novembro, 2021. 

posts relacionados